O cartomante

Ontem, numa conversa com um conhecido, ele acabou me contando que foi visitar, por recomendação de alguém, um homem que lê cartas.

– Vou te dizer uma coisa: eu não acreditava neste negócio de ler cartas, de videntes. Eu costumava tirar o sarro – ele me falou.

– Então, o cara é bom mesmo?

– Vixe! E lá na casa dele tem duas cobras que ficam soltas o tempo todo também. Fiquei com medo de entrar, mas ele me pediu para ficar tranquilo. Eu entrei, sentei na mesa, mas de vez em quando, eu dava umas olhadas de rabo de olho para elas, que pareciam prestar atenção na nossa conversa, com a linguinha tremendo pra fora – disse, dando a entender que o detalhe das cobras pets fosse garantia da seriedade do negócio do homem. – Mas ele faz questão de falar que o que ele faz é do bem, e eu acredito porque só tem imagens de santos nas paredes.

Apesar de eu ter minha opinião já formada a este respeito, mais ouvia do que falava, e só interrompia para fazer perguntas a fim de alimentar a conversa, que a mim me parecia estar sendo prazerosa a ele.

– E você sabe quais cobras eram? – perguntei pensando na coragem do dono.

– Ah, uma era coral e a outra era uma cascavel.

– Nossa! E a que distância elas estavam de você?

– Tinha um risco de giz no chão. Elas ficavam enroladas lá, e o risco funcionava como se fosse uma cerca. Elas não se aproximavam de nós. Uns dois metros – acho. Se você quiser, vou com você lá qualquer dia desses.

Será que ele tá pensando que tô precisando de um vidente? – como diriam os ingleses: I thought to myself, pensei com os meus botões.

– Tá bom. Quando estiver a fim de ir, te aviso.

– E mais: o povo que vai lá para ele ler as cartas é a maioria médico, enfermeiro, advogado, gente boa pinta e bem de vida, viu? – mais uma vez, sua vontade de afirmar a idoneidade do homem. – Quando você entra na salinha dele, ele, de cara, fala alguma coisa verdadeira de você. O motivo de você ter ido lá, sua profissão, qualquer coisa. É bater o olho em você e acertar.

– O que ele falou quando você entrou?

– Ah, pra mim, ele já falou na lata que eu tinha ido lá para saber de relacionamentos e de emprego. Falou que eu tava desempregado, que eu não ficava com uma mulher só, que já fiz algumas sofrer e chorar por mim.

– Ele acertou?

– Opa! Levei um amigo meu também. Falou na hora que ele devia trabalhar com carros. Meu amigo ficou impressionado e quer voltar lá mais vezes! – fiquei pensando naquela sujeirinha que fica, quase que inevitavelmente, nas pontas dos dedos e em volta das unhas dos mecânicos, ou no próprio cheiro que eles normalmente têm. Faço questão de enfatizar “quase” e “normalmente”. Que isto fique claro rs.

– Mas ó, se você perguntar pra ele se aquilo tudo é macumba, ele já levanta, agradece e pede pra você ir embora, viu?

– Entendi. E ele cobra pelas consultas? – meu lado investigativo arqueou a sobrancelha.

– Não! Ele diz que aceita coisinhas dadas de coração. Mas só se você puder e quiser.

– O quê, por exemplo?

– Eu, por exemplo, perguntei pra ele quanto era a consulta, e ele me disse que não era nada. Mas eu vi que as pessoas dão algum trocado, levam pinga para ele. Coisas desse tipo. E então, eu falei pra ele que levaria pinga pro santo dele lá, o que entra no corpo dele, na próxima vez que fosse. Ele toma a pinga durante a conversa. Diz que o álcool é sugado pelo santo. É por isso que ele não fica bêbado.

– Santo?

– É.

– Na verdade, o santo dele é uma mulher. E na hora que o santo vem, você tem de falar com ele como se ele fosse uma mulher mesmo, sabe? Chamar ela pelo nome dela.

– Sei. Que idade ele teria, mais ou menos?

– Ah, a idade certa não sei, mas é bem senhor já.

– E você pretende voltar lá por mais consultas?

– Pretendo. Depois que falei que era pai solteiro, ele me disse que eu tinha outro filho por aí, e que eu não sabia. É verdade, viu? Quando ele jogou as cartas, elas caíram em cima da mesa em forma de bebê. Eu nem sabia disto, que tinha outro filho.

– Como você se sente por ter outro?

– Ah, sei lá. Complicado, né? – achei que ia ser “felicidade”. 😀

– Não tem vontade de conhecer?

– Tenho, mas não agora. Ele me falou que, se eu quiser, ele faz ela, a mãe do meu filho, aparecer na porta de casa com ele nos braços em três dias!

– O que você disse?

– Cê tá louco? Minha mãe me mata! Eu falei pra ele deixar esse trem quieto, que agora não era hora disso.

– Você não tem medo de ele estar errado sobre isto?

– Existe teste de DNA, né? – sorriu.

Pensando que o assunto tinha acabado, ele ainda queria falar do homem vidente. Estava realmente impressionado.

– E também, se eu quisesse, ele faria um trabalho para ter muitas mulheres atrás de mim; tipo, a fim de mim, que se apaixonassem por mim – riu.

– Você topou?

– Agora não. Mas ainda vou pedir isso pra ele – riu de novo. – Você precisa ir lá. Você vai adorar.

– Tá bom – sorri.

– Ele vai falar de cara que você é professor. Você vai ver!

– Uau! Impressionante!

A conversa chegou ao fim.

– Preciso ir para casa. Tchau.

– Tchau. A gente se vê. Abraço.

“Cartomante” ou “vidente” é, em inglês, “fortune-teller”, “relator” da fortuna alheia, e o dicionário eletrônico Longman Dictionary of Contemporary English dá sua definição assim: (countable noun) someone who uses cards or looks at people’s hands in order to tell them what is supposed to happen to them in the future – ou seja, (substantivo contável – que pode ir para o plural) alguém que utiliza cartas ou olha para a mãos das pessoas a fim de dizer-lhes o que vai acontecer com elas no futuro.

O fortune-teller do meu conhecido pareceu-me mais um “past-teller”, né? Ou seja, “relator” do passado.

Quem quiser saber do próprio passado deita na cama, fecha os olhos e começa a pensar na vida, uai! Ou não?

Thank you for reading the things I write! 😀

Anúncios

1 Comment

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s