A história do meu nome

Meu primeiro nome é Edi, mas para me chamar, você precisa  dizer “Édi”. Entendeu? 😀

Quando nasci, minha mãe ia me dar o nome de “André”. Não teria sido legal ter o nome André Ribeiro? Teria! Mas uma prima dela (imagine-me, aqui, resmungando baixinho, chamando-a de infeliz) insistiu que não pusesse André, e sim Ed – por causa de haver, na época, um cantor da jovem guarda chamado Ed Carlos. Ela, a infeliz prima, contaminou minha mãe e outra pessoa da família. Então, há dois Ed Carlos. Aliás, Edi Carlos.

Quem me chama de “Édi” (ou Ed)? Somente as pessoas que me conhecem. As que não me conhecem me chamam de Edi, ou seja, de “Edí”. Isso mesmo, elas pronunciam O MEU NOME como se tivesse um acento no “i”.

Em atendimentos públicos, quando saem de uma porta com uma ficha na mão, vivo o suspense de como falarão meu nome, se for a minha vez. E quando é, falam alto: “Edí Carlos”. Raramente falam Ed, ou Édi. Isto quer dizer que raramente sinto-me confortável quando pronunciam meu nome. e eu corrijo a pessoa sugerindo a pronúncia correta.

Sempre tive vontade de mudá-lo. De duas, uma: pôr o acento no “e” para que se tornasse, DE UMA VEZ POR TODAS, paroxítono ou arrancar esse “i” intruso e desajeitado, embaraçador.

Recentemente, falei com um advogado – lembro-me que uma vez me instruíram a falar com um – e expliquei a situação. Ele me explicou muitas coisas. Disse-me que são importantes alguns critérios, e um deles é provar que o nome, no caso a pronúncia, me causa constrangimento; enquanto que algumas pessoas próximas não creem haver algo errado na grafia do nome a ponto de induzir outras a falar “edí”.

– Como você lê “pedi”? – escrevi a palavra e perguntei a uma amiga recentemente.

– Pédi. – ela me disse com segurança.

– Não! “Pédi” é P-E-D-E.

– É verdade! – ela concordou.

– O mesmo acontece com CEDI, DESCI, MEDI. Nenhuma dessas palavras é paroxítona. São todas oxítonas, e no meio está meu nome. – reforcei.

– Mas você precisa de pelo menos um motivo constrangedor para que consiga alterar a grafia. – acrescentou ela – Não é mesmo?

– Sim. – respondi.

– E qual é o motivo?

– Os motivos. – falei levantando o indicador esquerdo com quase absoluta autoridade – Um deles é que, no meio gay, a palavra “edí”, com acento no “i”, quer dizer “ânus”. – procurei soar moderado.

– Como assim? – ela franziu a testa.

– “Cu”. – quase exclamei – Os gays, quando se referem a ele, usam o termo “edí”.

– Ah! Mas eu não sabia disto. E acredito que a maioria das pessoas não sabe disso. – vi que ela não estava do meu lado, o que já me incomodou.

– Pode ser que você tenha razão, mas o mais importante é que EU sei que meu nome, quando mal pronunciado, significa “cu” e me lembro de “cu” toda vez! – rimos incontrolavelmente nesse momento. – E além disso, desse motivo, há muitas mulheres que se chamam “Edí” (oxítono), o que quer dizer que o nome é, principalmente, feminino. E se ele, com o sentido de “ânus”, não as embaraça – não sei, nunca falei com uma Edí pessoalmente – o problema, se “problema” for a palavra certa aqui, é só delas, e que fique só com elas, uai! O que me interessa é que, a mim, isso me incomoda, e demais.

– Hmm. Entendi.

– E mais: a intenção era que meu nome soasse paroxítono, e não oxítono. Que soasse exatamente como o do cantor da jovem guarda Ed Carlos.

Não que eu queira que meu nome seja de cantor. Esse Ed Carlos será lembrado somente por pessoas mais velhas – nem mais aparece na TV, está no esquecimento há muito tempo. Então, nem pensem que eu queira ter o nome, ou que pronunciem meu nome, igual ao de uma pessoa famosa.

O povo gosta de pôr nomes em filhos baseando-se em pessoas famosas e de sucesso, como jogadores de futebol, cantores, atores, e até mesmo personagens de filmes e de livros.

Eu já vi “Johnny” escrito “Jhonny”! “Juan” ecrito “Ruan” e “Rhuan”. “Michael” escrito “Maico” e outras coisas dignas de riso. Mas nenhum desses que citei, e outros que não citei, faz lembrar partes íntimas, né?

No fundo, no fundo, tenho raiva da pessoa do cartório, a que permitiu essa grande bobagem. Minha mãe, CERTAMENTE, disse “Ed”, mas a toupeira escreveu “Edi”.

Vai tomar no edí! rs

Anúncios

11 Comments

  1. Povo brasileiro e nomes de filho são realmente piadas prontas. Eu já vi muitos nomes excêntricos como WALT DISNEY DA SILVA ALGUMA COISA e as variantes como valdisney ehAehoUAHeoiA e creia, também vi napoleão bonaparte da silva alguma coisa, incrível.

    E Realmente não custava nada não terem colocado o “i” no seu nome. Mas, mais uma vez, é a falta de preparo dos funcionários públicos, não custava nada o cara ter comentado que ficaria melhor assim ou assado e que poderia gerar problemas no futuro. O pessoal escreve e que se lasque. E as vezes escreve errado tmb.

    Curtido por 1 pessoa

  2. ue bom que tocou no assunto…veja bem, quando pronunciei pela primeira vez seu nome, também me veio a palavra cú na cabeça. Mas não ia falar isso pra você, não sou louca assim. Até sou um pouco, mas não cheguei a tanto ainda. Depois achei que era abreviatura de algum outro nome, aí fiquei sua amiga no FB e lá você fez questão de acentuar o “E”. Foi só aí que me decidi que era Édi e não edÍ.
    Ri muito com seu post, adoro quando está espirituoso e decide compartilhar um pouco disso aqui.
    Beijooo Éd 😉

    Curtido por 1 pessoa

    1. (Estou rindo aqui, rsrs)
      Obrigado por ler e comentar.
      Os blogueiros são todos muito educados. Curtem de volta, comentam de volta e são pessoas que, além de gostarem de escrever, gostam também de ler tudo. Merecem um post! 😀

      Curtido por 1 pessoa

      1. Hahahaha que sorte nossa não é mesmo? Rsrrs Mas sério aqui, ri muito mesmo com você. Espero que consiga, mas talvez esse post ajude a resolver seu problema. Pra mim, foi esclarecedor. rs
        Nah, não respondi por educação, respondi porque precisei. Acho que pode ser TOC. 😉 rsrsrs
        Bjooo 😀

        Curtido por 1 pessoa

  3. Que figura… Me chamam de variadas formas também, mas não me incomodo não, acho graça nas diferentes entonações. Agora esse “vá tomar no Edi” foi muito engraçado (e tb não conhecia essa singularidade, rsrsrss).

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s